educacao_infantil2Saúde e educação são hoje investimentos vinculados ao Orçamento do país, ou seja, têm um percentual fixo das receitas anuais do qual não podem baixar. A proposta do governo interino é desvincular os investimentos em saúde e educação e estabelecer um teto para os gastos públicos, limitado à inflação do ano anterior, ou seja, sem aumento real. Isso significa uma queda significativa de investimento e ampliação desses dois serviços. Se essa regra já estivesse valendo em 2015, a saúde teria tido 32% menos recursos e a educação, 70% menos, como mostra a economista Laura Carvalho. Mais uma vez, quem vai pagar a conta são os mais pobres.

Notícias:

Teto para gastos limitará despesas com Saúde e Educação, diz Meirelles

Temer propõe limitar gastos em Saúde e Educação para deter rombo. Entenda

Artigos:

A plutocracia não cabe no Orçamento, por Laura Carvalho

Os gráficos espantosos sobre proposta de Temer para Saúde e Educação, por Vagner Freitas

PEC 241 é uma bomba contra os direitos constitucionais da população brasileira, por Grazielle David