Temer aproveitou o começo da campanha eleitoral em todo o Brasil para tirar, na surdina, a execução de obras destinadas ao combate à seca no Nordeste das mãos dos governadores e transferir a tarefa (e os recursos) para o Departamento Nacional de Obras Contra As Secas (Dnocs), sob o comando de peemedebistas, em sua maioria.

Pra quem não entende a importância disso, a gente explica: a gerência de verbas para obras contra a seca costuma ser muito disputada por nomes de todos os partidos pelo fato de servir como arma eleitoral na região. Agora, tudo fica na mão do partido do presidente interino. Essa ação acaba com o acordo feito por Dilma que colocava a gerência desses recursos sob a responsabilidade dos governadores.

O Planalto aproveitou para também aumentar o valor repassado a estados governados pelo PMDB, como Sergipe e Alagoas. Haja toma lá dá cá!