Sob a argumentação de que a previdência precisa ser “sustentável”, Temer acabou com o Ministério da Previdência Social e o transformou em uma secretaria do Ministério da Fazenda. Com isso, a agenda de previdência social passa a se submeter verticalmente à agenda econômica e do mercado, ficando em segundo plano as questões ligadas às conquistas e interesse dos trabalhadores.

Dados:

Medida Provisória 726, de 12 de maio de 2016